CREF9/PR - Telefone0800 643 2667 • (41) 3363-8388

INTENSIDADE E FORÇA QUE CONQUISTAM


07/02/2019Artigos

VALE A PENA LER DE NOVO


O ritmo rápido acompanha a música, cada movimento tem uma função, os músculos respondem a cada estímulo e o suor escorre pelo rosto. Essa fórmula tem enchido cada vez mais as salas das academias por propor ganho de força, equilíbrio e ganho de condicionamento físico. Chamado de Treinamento Funcional, o método de treino mistura exercícios em alta intensidade com séries envolvendo pesos, cordas e obstáculos para conquistar clientes que buscam práticas de atividades físicas diferenciadas.

O método de treinamento tem como segredo a sua dinamicidade. Para o professor de pós-graduação em Treinamento Funcional, Ivan Pinto Ribeiro [CREF 014079-G/PR], o sucesso desse tipo de treino é a união de elementos da musculação e da ginástica, trazendo benefícios das duas modalidades. “Para muitas pessoas a musculação acaba sendo muito monótona, para elas a principal diferença percebida é o dinamismo e a motivação. Já para os praticantes das outras modalidades de ginástica o treinamento funcional se difere pelo fato de apresentar novos desafios, dinamismo e intensidade capaz de gerar resultados aparentemente mais eficientes”, explica.

Entre os benefícios do Treinamento Funcional estão o ganho de força e potência muscular, melhora da resistência muscular geral e localizada, aquisição ou aprimoramento do condicionamento cardiovascular aeróbio e anaeróbio, equilíbrio, aumento da consciência corporal, podendo promover emagrecimento, hipertrofia e consequente definição muscular se combinada à dieta adequada. Outra característica do Funcional é a flexibilidade de adaptação dos exercícios, podendo potencializar cada uma destas áreas.

Outro fator que alavanca o crescimento do treinamento funcional é o baixo custo operacional das aulas. As atividades podem ser realizadas em diversos ambientes e sem a necessidade de equipamentos caros como aparelhos de musculação e esteiras. Usando técnicas de exercícios calistênicos, que utilizam o peso do próprio corpo para as atividades, o Profissional consegue extrair bons resultados. Além disso é possível usar diversos pesos, faixas elásticas, cordas e obstáculos ajustáveis que também tem valor significantemente menor que o de aparelhos de academia.

Com a alta procura pela modalidade, o Profissional deve estar preparado para ministrar as aulas de Treinamento Funcional. Ivan Ribeiro destaca as competências necessárias para prescrever os treinos funcionais. “Para a preparação do profissional sugiro além de todo conhecimento básico de anatomia, aprendizagem motora, biomecânica e fisiologia, importante também conhecer os métodos de treinamento muscular e cardiovascular. Saber também como aplicar meios e métodos de alongamento e flexibilidade, sabendo como e quando realizar tais exercícios combinados com os demais. Já para determinar os limites é de fundamental importância realizar uma avaliação física”.

O Treinamento Funcional é de prerrogativa do Profissional de Educação Física. O art. 3º da Lei Federal 9696/98 define que é função do Profissional de Educação Física coordenar, planejar, programar, supervisionar, dinamizar, dirigir, organizar, avaliar e executar treinamentos especializados. Caso encontre Profissionais de outras áreas aplicando o Treinamento Funcional denuncie.